quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Lua solitária, que daqui te vejo

Lua cheia que me olhas solitária, ao fundo do horizonte

Lua solitária, que daqui te vejo,
Essa tua expressão, triste e pensativa,
Parece-me que necessitas de um beijo,
Para me olhares, mais convidativa.

O que pensas, não posso tão pouco saber,
Fazes-me companhia nesta solidão,
Procuro em ti, a minha razão de ser,
Pessoa pareces, tal a sofreguidão.

Meu desassossego tu partilhas comigo,
Sabiamente acalmas o meu coração,
Como se também pudesses comunicar !

Não te escondes deste teu novo amigo,
Que a tua presença não seja em vão,
O meu caminho possas tu iluminar !

2008 Vasco de Sousa
Os direitos da imagem pertencem ao seu autor.
O original pode ser encontrado aqui.

2 comentários:

Menina_marota disse...

Que o teu Natal tenha sido de Paz e harmonia.
Uma feliz entrada em 2009, especialmente com muita Poesia.

Olinda disse...

É tão bom ler um poema escrito por alguém que parecia estar a ler o meu pensamento. muito bom. Olinda