terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

De açucenas e rosas misturadas

De açucenas e rosas misturadas
não se adornam as vossas faces belas,
nem as formosas tranças são daquelas
que dos raios do sol foram forjadas.

As meninas dos olhos delicadas,
verde, preto ou azul não brilha nelas;
mas o autor soberano das estrelas
nenhumas fez a elas comparadas.

Ah, Jônia, as açucenas e as rosas,
a cor dos olhos e as tranças d'oiro
podem fazer mil Ninfas melindrosas;

Porém quanto é caduco esse tesoiro:
vós, sobre a sorte toda das formosas,
inda ostentais na sábia frente o loiro!

Alvarenga Peixoto

2 comentários:

Marcos Vinicius disse...

Tem como fazerem a interpretação desse poema? Ou Analisar ele pra min? Preciso muito estou fazendo um trabalho de escola e precisaria de umas dessas duas coisas, Obrigado.

Marcos Vinicius disse...

Preciso muito da Interpretação ou Analise do poema, podem me ajudar? Obrigado.