domingo, 22 de janeiro de 2012

Avançar não é esquecer ou banir

Fundamental a flexibilidade
Instala-se e a nostalgia pacifica
Num ápice tudo se clarifica
Fundo ilusão e veracidade

Avançar não é esquecer ou banir
Tenho carinho pelas minhas vivências
Debalde as consequências
Refreio o impulso de não reflectir

Veredas e memórias clássicas
São labirintos muito apetecíveis
Épocas épicas e outras mudanças

Têm faunas e fórmulas básicas
Vestem-se de causas infalíveis
Mas pereno nas minhas esperanças.

2012 Olinda Ribeiro

40 comentários:

Luís Grillo disse...

Bom dia Olinda, este soneto tem uma roupagem muito específica, ao despir a dita roupagem, sinto que o tesouro que guarda é uma jóia raríssima e de uma beleza incalculável!
Só não percebo como conhecendo a sua poesia como conheço ainda fico deslumbrado como se fosse a 1ª vez que a leio....A única resposta é que a Olinda é assim mesmo, sempre surpreendente!
Abraço

Luís Grillo

Anabela Pina disse...

Olinda, ao ler este soneto, parece muito fácil porque é muito bonito... mas tem muita "experiência e sabedoria" pelo que a atenção redobrada é um requisito.
Beijinhos

Anabela Pina

Horácio Trancoso disse...

Este titulo sugere-me o seguinte:
Concordo que a sra escreve poesia muito boa, mas não entendo qual a razão porque os leitores a comentam tanto e se esquecem de comentar os grandes poetas portugueses e não só, que inclusive até estão neste espaço, estão a meu ver a ser esquecidos e banidos!

Horácio Trancoso

Pedro Sampaio disse...

Um soneto excepcional, mas que tenho de entrar dentro dele para perceber a maior riqueza que ele encerra.
Muito Sinuosa a nossa poetiza.

Abraço e bj

Pedro Sampaio

Marcio Barreto disse...

Excelentes composições.
Passo a partir de hoje vincular o seu blog ao meu, de um iniciante.

http://comversoemrima.blogspot.com

Forte abraço,
Márcio André

Filipa Solero Monjardino disse...

Caríssima poetiza adorei este soneto, tem uma Clareza que é preciso deixar entrar, então a compreensão fica mais enobrecida.

Beijos

Filipa Monjardino

Salvador Alpoim disse...

Excelente soneto!

Abraço

Salvador Alpoim

Sara Montês disse...

Está a ser uma agradavel surpresa descobrir a sua poesia.
Agradeço ao amigo que me indicou tão distinta poetiza.

Sara Montês

Leonardo Brito disse...

Muito bom! Gostei imenso, e foi como construir um puzzle daqueles que parecem fáceis ... e afinal são dificilissimos.

Leonardo Brito

Maria Luísa Salgueiro disse...

Boa tarde Olindinha, uma pausa bem aproveitada com mais um excelente momento de poesia. Este soneto é daqueles que trazem "rastreio" felizmente já a vamos sabendo interpretar!

Beijos

M. L. Salgueiro

Carlos Pinto Correia disse...

Excelente soneto e encerra grandes verdades, tem que se ler com muita atenção.

Abraço

Paulo Sousa disse...

Tem razão, avançamos, e as nossas vivências fazem parte de quem somos, porém como diz, é preciso ter esperança no porvir.
Muito bom este soneto.

Paulo Sousa

Joana Fernandes disse...

E é em soneto que vou reflectir! Muito bom! Não é um soneto de fácil leitura... quer dizer de fácil interpretação. Mas gosto de um bom desafio.
Beijos

Joana Fernandes

Miguel Lemos disse...

Muito especial este soneto, tem a mesma característica sibilina da estimada poetiza que o escreveu, gostei particularmente...GOSTEI mesmo muito!!!

Miguel Lemos

Alberta Góis disse...

Olindinha este soneto é mesmo para me deixar de cara à banda... amanhã é que vou desfiá-lo... hoje quero simplesmente ler a sua alma de poeta.
Muitos inhos docinhos.

Alberta Góis

José Manuel Antunes disse...

Boa noite Olindinha durma bem, pois eu depois deste delicado momento de soberba poesia vou dormir muito mais feliz.
Beijo e abraço

J. M. Antunes

Zézinho disse...

Um soneto difícil mas muito bonito!
Abraço

Zézinho

Emília Proença disse...

Bom dia, um soneto muito especial escrito por uma poetiza muito especial, quem a conhece pessoalmente como é o meu caso, sabe que o maior defeito desta sra é ter um coração bondoso em excesso, embora a filosofia da poetiza seja "Nunca é demais dar ou ajudar quem de nós precisa"... pratica mas deixa que abusem dela, este soneto vem provar a grandeza do seu coração.
É para mim um privilégio poder privar com tão sublime ser humano.

Emília Proença

Alentejano dos 4 costados disse...

Eia que este soneto é daqueles que tenho que pensar...

Tereza Assis Macedo disse...

Boa tarde estimada Olindinha, um soneto bem a meu gosto, com aquele toque de magia para fazer pensar e descobrir a nossa própria estrutura vivencial.
Muitos beijinhos

Tereza Assis Macedo

Jorge Cardoso Vasconcellos disse...

Prezada poetiza,
o que eu cresci com a sua poesia, só eu sei, realmente até tenho dificuldade em me remeter ao tempo que nem lia poesia, parece que era outra pessoa noutra galáxia, mas como muito bem diz aqui e agora é que é importante, este soneto agora obriga-me a pensar... noutro tempo nem sequer o leria...! E aqui e agora levo-a com carinho para onde quer que eu vá. ... melhor onde estou a Olindinha está!
Bjs e abraços

Jorge Cardoso Vasconcellos

Ana Pinto e Sá disse...

E um soneto com trabalho para interiorizar e descodificar!
Bjs

Ana Pinto e Sá

António Vasco Guedes disse...

Um soneto muito inteligente, temo que se não for desmontado a mensagem passe ao lado! Malandreca a sra poetiza!

António Vasco Guedes

Gil Alves Macedo disse...

Pois claro que a Minha Amiga não ia facilitar a coisa...Já andava a estranhar não aparecer um quebra-cabeças!
Grande abraço e beijinho já agora.

Gil Alves Macedo

Inês Maria Sotter Andrade Pimentel disse...

Tenho cá para mim que a poetiza gosta de puxar pela nossa Mente, para saber se estamos atentos, e sinto que fica contente por constatar que sim! Eu fico, pois é uma prova de mostrar o quanto nos aprecia por a apreciarmos.

Inês Pimentel

A. A. disse...

Estimada Poetiza, como vê até as pausas da tarde servem para me deliciar com este soneto muito interactivo, aliás a interactividade com os poetas, o espaço, e os leitores, é a mais valia que nos une como um todo.
Abraço

A. A.




PS: Oh leitor Horácio Trancoso, se bem percebeu a carapuça serve-lhe na perfeição!!!

Hugo Santiago disse...

Um soneto muito bom! Deduzo que sabe o prazer que nos proporciona deslindar o seu enredo.
Eu particularmente adorei!


Hugo Santiago

Mariazinha disse...

Estimada Olindinha,
como sempre o objectivo é alcançado!
Maravilhosa!

Beijos

Mariazinha

PS: Tem razão leitor A.A. também não vi os comts do sr Horácio Trancoso em nenhum dos poetas aqui mencionados neste espaço, .... ou será simples inveja da nossa admiração por dois excelentes poetas vivos e muito simpáticos com quem interagimos e interagem com igual respeito afabilidade e amizade?!

Alvaro Santos disse...

Boa noite,
este espaço é mesmo uma alegria, o que aqui se aprende, o que aqui partilhamos, e se a nossa Olindinha oferece o substrato o Vasco oferece a "casa" assim cavaqueamos em harmonia, e para ficar completo aparece um pretendente a desmancha-prazeres!
É mesmo um blogue incomparável.
Abraços para todos

Alvaro Santos


Excelente soneto!

Maria Costa disse...

Soneto com S maiúsculo!

Maria Costa

Santos Onório disse...

Olindinha,
grande parte do comentário ao poema anterior foi a este soneto que o vim buscar, pois para mim são um só poema, a Olindinha dividiu em dois sonetos, ... posteriormente tirou a imagem ao outro soneto e deu-lhe aquela apresentação, sinceramente adoro esta sua "marotice" até porque me prende e fascina com a sua criatividade.
Se eu estiver correcto gostava muito que me confirmasse pode ser?

Abraços

Santos Onório

PS: como com certeza reparou os leitores estão muito atentos a tudo o que escreve, e se a admiramos é porque a Olindinha também nos trata com deferência ao escrever com sagacidade e partilhando a essência do seu maravilhoso poetismo!
Em si a poesia ganha traços físicos e reais, podemos tocá-la porque tem corpo e alma.

Helena Ribeiro Telles disse...

Estimada poetiza, creio que este poema tem no poema anterior uma excelente parceria!!!!

Muito Bom!

************

Helena Telles

Carolina Melo Menezes disse...

Boa noite,
muitos parabéns pelo soneto está óptimo.

Carolina Melo Menezes

Olinda Ribeiro disse...

Boa noite meus queridos leitores, claro que fico muito contente por me acarinharem e interpretarem o que escrevo, e sim confirmo que todos estão de parabéns pois cada um à sua maneira entendeu-me perfeito.
Beijos para todos e muito agradeço a vossa amizade.
Amigo Vasco um beijinho muito especial pela amizade e pelo espaço.

Olinda Ribeiro

Victor Gonçalves disse...

Gosto muito deste espaço, estamos em sintonia com a poesia, os poetas, e os leitores, temos até brincalhões e desestabilizadores, mas temos sempre a garantia de passar momentos inolvidáveis...
.... temos a Olinda, o Vasco, e todos os outros poetas por quem demonstramos respeito e admiração, tenho a certeza absoluta que este espaço é o melhor de todos, pois não encontro outro espaço onde aconteça a mesma dedicação de todos os intervenientes como acontece com este espaço.
... E É Português....
Mas aberto ao mundo inteiro!

Victor Gonçalves

GOSTE-SE OU NÃO BEM SABEMOS QUEM NOS UNE E VEM MOSTRAR QUE A UNIÃO É SEMPRE UM MEIO PARA NOS ENTENDERMOS.

Ana Rita Sarmento disse...

Boa tarde, excelente soneto.

Gabriela Costa Matos disse...

Boa tarde estimada poetiza, ora aqui está um soneto muito bonito e com leitura nas entrelinhas.

Bjs

Gabriela Costa Matos

Bruno Monteiro Castro disse...

Pensei que já tinha comentado este soneto.... mas claro que é óptimo!

bjs e abraços

Maria Luísa Nogueira disse...

Não se pode desperdiçar um soneto tão especial quanto este.
Parabéns

Maria Luísa Nogueira

Luís Maria Trêpa Meneres disse...

Pois claro .... Li primeiro a Epopeia, mas deveria ter começado pelos anteriores, assim ainda teria ficado mais extasiado!

Beijinhos

Luís Meneres